Irmandade Muçulmana ameaça deixar diálogo com governo do Egito

Por Yasmine Saleh e Andrew Hammond

CAIRO (Reuters) - O presidente dos EUA, Barack Obama, disse na segunda-feira que as discussões para a resolução da crise no Egito estão progredindo, mas a Irmandade Muçulmana disse que poderá abandonar o processo de diálogo se as exigências da oposição não forem atendidas.

As declarações de Obama parecem contradizer as de dirigentes egípcios de oposição que anunciaram poucos avanços a respeito da sua pauta de reivindicações, que inclui a renúncia imediata do presidente Hosni Mubarak.

"Obviamente, o Egito tem de negociar um caminho, e eles estão fazendo progressos", disse Obama a jornalistas em Washington.

Os EUA pedem a todas as partes envolvidas que deem tempo para uma "transição ordeira" a uma nova ordem política no Egito, há décadas um aliado estratégico de Washington. Mas a oposição teme que, se Mubarak sair, ele seja substituído por outro governante autoritário, sem a adoção do regime democrático ao qual aspiram os manifestantes que há quase duas semanas protestam no país.

A Irmandade Muçulmana é o mais bem organizado grupo oposicionista do Egito, apesar de estar proibida há décadas. A possibilidade de que essa organização islâmica ascenda ao poder causa inquietação entre os aliados ocidentais do Egito. Obama disse que a Irmandade não tem apoio majoritário.

Mubarak, de 82 anos - sendo 30 deles no poder - promete deixar a Presidência depois das eleições de setembro, e diz que uma renúncia imediata causaria caos no país. O foco dele nos últimos dias tem sido restaurar a ordem, e o governo parece estar querendo ganhar tempo.

Mas os manifestantes acampados na praça Tahrir, no centro do Cairo, prometem ficar lá até que Mubarak renuncie, e convocaram novos protestos para terça e sexta-feira.

Para tentar permitir a fluidez do tráfego, o Exército pressionou na segunda-feira os manifestantes a reduzirem a área ocupada na praça. Antecipando-se a isso, os manifestantes saíram das suas barracas durante a noite para cercar os soldados.

Em duas semanas da "Revolução do Nilo", como a chamam alguns manifestantes, cerca de 300 pessoas morreram, segundo estimativas da ONU.

REFORMA CONSTITUCIONAL
A oposição pleiteia uma reforma constitucional que leve a eleições livres e limpas, limite a quantidade de mandatos presidenciais, dissolva o Parlamento, permita a libertação de presos políticos e suspenda a lei de emergência.

"Estamos avaliando a situação. Vamos reconsiderar toda a questão do diálogo", disse Essam el Erian, dirigente da Irmandade Muçulmana, na segunda-feira à Reuters. "Vamos reconsiderar segundo os resultados. Algumas das nossas exigências já foram atendidas, mas não houve resposta à nossa principal exigência, de que Mubarak saia."

O governo divulgou uma nota após a primeira rodada de reuniões, no domingo, dizendo que havia acordo sobre os rumos do processo, mas com poucas concessões à oposição.

A nota sugere que as reformas serão implementadas com Mubarak ainda no poder até setembro. Também impõe condições para a revogação da lei de emergência, que segundo a oposição é usada para reprimir dissidentes.

Depois do início da crise, Mubarak nomeou um novo gabinete, que na segunda-feira prometeu, na sua primeira reunião, manter subsídios e atrair investimentos estrangeiros.

0 Comentário(s):

Postar um comentário

Gostou da matéria?
Que tal deixar um comentário aqui pra mim?
Você comenta bem rapidinho!