#setembroverde Viver é uma grande conquista. Ajude mais pessoas a serem vencedoras.

"É um ato de salvar vidas". O relato emocionado feito pelo judoca Bruno Cunha, transplantado de um rim, resumiu o que significa a doação de órgãos. Uma campanha lançada neste sábado na Casa Brasil tem o objetivo de incentivar ainda mais a iniciativa no país, aproveitando a realização das Paralimpíadas no Rio de Janeiro.

A campanha do Ministério da Saúde, que tem o slogan "Viver é uma grande conquista. Ajude mais pessoas a serem vencedoras", mostra atletas transplantados e busca estimular a população a conversar com as famílias sobre a intenção de doar órgãos. No Brasil, a doação, nos casos de morte encefálica, precisa de autorização da família.

No primeiro semestre deste ano, o país bateu o recorde, com 1.438 doadores, 7,4% a mais que no mesmo período do ano passado. A meta é alcançar 14,4 doadores por milhão de população (pmp). O índice atual é 14 pmp. A taxa de aceitação familiar no Brasil é de 56%, o que configura a menor taxa de recusa da América Latina. "O milagre todo desta história quem faz são os doadores. Gostaria de dizer a todas as famílias do Brasil que este é um ato de amor, de coragem, que salva pessoas que poderiam ter suas vidas interrompidas", declarou Bruno, que voltou ao esporte após o transplante.

Foram realizados 12.091 transplantes entre janeiro e junho, com crescimento de procedimentos em órgãos mais complexos como pulmão (31% a mais), fígado (6%) e coração (7%), em comparação com o primeiro semestre de 2015.

Transplantada de um pulmão há cinco anos, Liège Gautério, medalhista de ouro nos 100 metros e prata nos 200 metros nos Jogos Mundiais para Transplantados, em agosto de 2015, na Argentina, diz que as conquistas representam a importância da doação. "Esse gesto solidário num momento tão difícil para uma família me deu a segunda chance de viver", afirmou.

A conversa com a família deve ser incentivada para que os números continuem crescendo, segundo o secretário de Atenção à Saúde do Ministério, Francisco de Assis Figueiredo. "Há uma necessidade de conscientização junto à família", lembrou.

O Ministério da Saúde homenageou o cantor Fábio Beça, do Grupo Bom Gosto, por emplacar ações sociais em prol da doação de órgãos. Fábio passou por um transplante renal e lançou uma campanha reunindo personalidades do samba. Também foram homenageadas a Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB) e a Secretaria de Saúde do Paraná.

Equipe Casa Brasil

Fonte:  
http://www.brasil2016.gov.br/pt-br/casabrasil/campanha-para-doacao-de-orgaos-e-lancada-com-a-participacao-de-atletas

#SetembroDourado O Mês oficial da conscientização do cancêr infanto-juvenil


Você sabia que setembro é o mês oficial de conscientização do câncer infanto-juvenil? E mais, que a cada minuto uma criança é diagnosticada com câncer no mundo? E que no Brasil o câncer infanto-juvenil é uma das causas de morte não-acidental mais comuns que existem?
#fiqueciente #setembrodourado

"Descobrir que uma criança ou um adolescente tem câncer é algo terrível. Afinal, nenhum pai e nenhuma mãe estão preparados para receber tal notícia. Nós entendemos isso.  Porém, graças os avanços de pesquisas e tratamentos, a possibilidade de cura é muito maior quando a doença é descoberta logo no começo. Em outras palavras: o diagnóstico precoce do câncer infantojuvenil pode representar o início da cura. FIQUE ATENTO AOS SINTOMAS"

Para mais informações, acesse: http://www.setembrodourado.org.br/

Prorrogado prazo para servidor federal se inscrever como certificador

Foi prorrogado até 14 de agosto o período de inscrição para a composição da Rede Nacional de Certificadores (RNC). De acordo com o Edital nº 21, publicado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) em 29 de julho, Servidores Públicos do Poder Executivo Federal, em todo o país, podem atuar na certificação dos processos de aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que ocorrerá nos dias 5 e 6 de novembro.

Os selecionados atuarão exclusivamente sob a orientação do Inep, nos locais de aplicação do Exame. A principal tarefa será garantir a integridade dos malotes nos locais de provas e certificar todos os processos de aplicação do Enem, reportando ao Inep imediatamente quaisquer situações em desacordo com as normas de segurança.

Mesmo os certificadores que tinham participado no ano passado da RNC precisam se inscrever novamente e realizar todos os procedimentos descritos no edital nº 18, de 24 de junho 2016.

RNC – Podem participar Servidores Públicos do Poder Executivo Federal que não estejam de licença, em afastamento ou inativos, desde que não tenham parentes de até segundo grau, cônjuges ou companheiros participantes no Enem. É necessário ter formação mínima de nível médio e não possuir vínculo com atividades do processo de elaboração, impressão,distribuição e aplicação desse Exame.

Para se cadastrar basta acessar o sistema on-line.

Fonte

Berlim é única capital europeia que deprime a renda nacional

"Berlim é pobre, mas sexy", disse seu ex-prefeito Klaus Wowereit em 2004. 

A afirmação faz sentido, considerando que ela é a única capital dos principais países europeus que puxa para baixo a média da renda nacional.

A conclusão de um levantamento divulgado pelo Instituto para Pesquisa Econômica de Colônia que calculou o efeito sobre o PIB per capita dos países europeus quando sua capital e seus habitantes saem da conta.

Os resultados são amplamente negativos. O PIB per capita da França perde 15% sem Paris, o de Portugal perde 13,7% sem Lisboa e o da Espanha perde 6% sem Madri.

O pior resultado é da Grécia, 20% mais pobre sem Atenas. E no final da lista aparece a Alemanha, que teria um PIB per capita levemente maior (0,2%) com Berlim.

"E seria ainda mais sem as transferências fiscais entre estados e a subvenção especial do governo federal para a capital. O papel minoritário de Berlim é incomum para a Europa, mas típico para a Alemanha: é uma expressão do modelo de negócios federalista. O fato de que o famoso "Mittelstand" alemão é forte em áreas rurais é uma das características únicas da economia da Alemanha", diz o instituto.

O modelo Mittelstand não tem uma definição precisa mas costuma se referir ao conjunto de empresas pequenas e médias altamente eficientes e internacionalizadas que são consideradas o motor da economia alemã, uma das mais sólidas do continente.

Veja a seguir os números de todos os países pesquisados. Os dados são da Eurostat para o ano de 2014.
Efeito na renda per capita
Grécia sem Atenas -19,9%
França sem Paris -15,0%
República Tcheca sem Praga -14,2%
Portugal sem Lisboa -13,7%
Dinamarca sem Copenhague -13,3%
Finlândia sem Helsinki -12,9%
Suécia sem Estocolmo -11,7%
Reino Unido sem Londres -11,2%
Polônia sem Varsóvia -9,6%
Bélgica sem Bruxelas -8,7%
Áustria sem Viena -6,1%
Espanha sem Madrid -6,0%
Holanda sem Amsterdã -4,8%
Itália sem Roma -2,1%
Alemanha sem Berlim 0,2%
Fonte: http://exame.abril.com.br/economia/noticias/como-seria-a-franca-sem-paris-e-a-alemanha-sem-berlim

Prefeito na Alemanha deixa ponte exclusiva para jogadores de "Pokémon GO"

Enquanto "Pokémon GO" continua a tomar o mundo, as autoridades políticas de vários países estão reagindo de formas diferentes ao fenômeno.

A polícia espanhola, por exemplo, criou um guia para jogar o game em segurança, enquanto o presidente venezuelano Nicolás Maduro condenou publicamente o aplicativo,e o governador da região de Fukushima, no Japão, se preocupa com a segurança de jogadores que se arrisquem a visitar a área afetada pelo desastre nuclear de 2011.

Já o prefeito da cidade de Düsseldorf, na Alemanha, decidiu fechar o acesso a carros de uma ponte que virou um dos principais pontos de encontro de jogadores da região.

A ponte de Girardet tem duas Pokéstops - pontos de interesse que podem itens importantes para os usuários - em cada uma de suas pontas, e ambas podem ser acessadas por quem estiver no meio dela.
Sendo assim, centenas de pessoas passaram a se reunir no local, chegando até a viajar da Holanda para chegar lá, e dependendo do horário a ponte chega a ser intransitável para carros. Por isso, o prefeito colocou guardas para fecharem o para veículos quando necessário, além de trazer banheiros químicos e latas de lixo extras para os jogadores.

O serviço de ônibus de Düsseldorf também planeja criar rotas especiais levando pessoas aos melhores pontos da região para capturar os monstrinhos de bolso.

Fonte: http://jogos.uol.com.br/ultimas-noticias/2016/07/28/prefeito-na-alemanha-deixa-ponte-exclusiva-para-jogadores-de-pokemon-go.htm

Tudo indica que não terá aumento de tributos, diz Meirelles

Rio de Janeiro - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta quarta-feira que "tudo indica" que não será necessário aumento de tributos para ajudar as contas públicas do país.

Isso porque, segundo ele, a arrecadação tributária tende a crescer conforme a recuperação econômica avança e o governo contará com receitas provenientes de privatizações e outras medidas.

Mais informações em instantes.

Um breve histórico da briga entre Facebook e Snapchat

O Instagram virou o Snapchat com uma simples atualização. Agora, o app do Facebook tem recursos muito parecidos com os da competição e permitirá que usuários compartilhem fotos e vídeos que somem depois de 24 horas. Não há como negar que a ferramenta lembra, e muito, o Snapchat Stories – até o nome, Instagram Stories, é similar, para falar o mínimo.

Essa não é a única semelhança entre os aplicativos. Ambos usam mídias essencialmente visuais e tornaram-se populares inicialmente entre os jovens. O Instagram, por exemplo, ganhou força rapidamente e foi adquirido pelo Facebook em 2012 por um bilhão de dólares. Hoje, o app tem mais de 500 milhões de usuários.

O Snapchat tinha tudo para seguir o mesmo destino do Instagram. Ele nasceu em 2011 dentro da Universidade de Stanford, nos EUA, e chamou a atenção dos jovens que não queriam que fotos pouco lisonjeiras fossem vistas mais de uma vez. Mas algo no caminho foi diferente. Os fundadores do app recusaram uma oferta de compra por parte de Mark Zuckerberg.

Desde a recusa de compra, o Snapchat virou, ao que tudo indica, um alvo dentro do Facebook. Foram diversas as tentativas de Mark Zuckerberg para vencer o Snapchat – até agora, todas em vão. Veja abaixo uma linha do tempo com as principais batalhas travadas.

Dezembro de 2012

A primeira tentativa do Facebook de competir com o Snapchat foi com o Poke, um app que permitia que usuários enviassem fotos e vídeos que eram deletados em segundos. A principal diferença entre os dois aplicativos é que todo o conteúdo compartilhado do Snapchat é apagado de seus servidores, enquanto o do Poke era armazenado por um tempo. Dois anos após seu lançamento, o Poke foi deletado da App Store. Até hoje, ele é um lembrete para o Facebook de que é preciso muito mais do que alguns engenheiros talentosos para bater o Snapchat.

Novembro de 2013

O Facebook tentou comprar o Snapchat por três bilhões de dólares. Segundo o Wall Street Journal, os fundadores do app (que na época tinha apenas dois anos de existência) não aceitaram a proposta por considera-la baixa, mesmo sendo acima dos dois bilhões de dólares, que era a avaliação do Snapchat na época. Além disso, Evan Spiegel, CEO do app, disse ao jornal que esperava que o rápido crescimento do aplicativo elevasse ainda mais o valor da empresa. As previsões de Spiegel se mostraram corretas e, agora, o Snapchat vale 19 bilhões de dólares.

Dezembro de 2013

Cansado de criar novos apps para a batalha, o Facebook passou a usar um dos seus representantes mais fortes, o Instagram (app que havia sido adquirido em 2012). Em dezembro de 2013, ele ganhou a função Direct, que tornava possível enviar fotos exclusivamente para um seguidor ou em grupos fechados. Isso trazia ao Instagram algo valioso do Snapchat: o controle sobre quem vê cada publicação. O recurso, no entanto, abria mão de outra característica crucial do Snapchat: a efemeridade. Se no app do fantasminha o conteúdo some depois, no Instagram Direct não. Isso pode ser ruim para adolescentes que querem enviar fotos comprometedoras.

Junho de 2014

Menos de um ano depois de sua oferta ser recusada por Spiegel, Mark Zuckerberg lançou uma nova arma para batalhar contra o Snapchat: o Slingshot (estilingue, em inglês). O app permitia que usuários enviassem fotos e vídeos que eram destruídos. Também era possível desenhar em cima das imagens. Ao contrário do serviço de Spiegel, o Slingshot só deixava o usuário ver as imagens enviadas por outras pessoas quando ele também enviava uma foto. O apelo faria com que as pessoas compartilhassem com bastante frequência. Mas, como o Poke, o Slingshot não vingou.

Setembro de 2015

A função Direct ganha uma atualização. A partir dessa data, é possível enviar imagens direto da linha do tempo para um seguidor ou um grupo. O objetivo do Facebook era claro: a empresa precisava aumentar o compartilhamento de conteúdo (preocupação que existe até hoje). Colocar um botão que facilitasse o envio de mensagens, fotos ou vídeos de forma privada parecia uma boa estratégia na época.

Março de 2016

Os bilhões que não foram gastos com o Snapchat foram usados pelo Facebook na compra de outros apps. Um deles foi o MSQRD (Masquerade), um app de filtro de imagens e vídeos que permite que usuários distorçam suas selfies com os rostos de celebridades ou de amigos. Se você usa o Snapchat, sabe o que é o Face Swap, um filtro que tem a mesma função do MSQRD. Duas semanas após a aquisição do Facebook, o Snapchat comprou a Bitstrip, a empresa por trás do app Bitmoji, que permite criar um avatar de si mesmo para compartilhar nas redes sociais. O aplicativo tornou-se viral em 2013 graças ao fato de ser um recurso dentro do Facebook.

Agosto de 2016

O Instagram Stories é a mais nova tentativa do Facebook de vencer o Snapchat. O recurso é tão similar ao app que já está sendo chamado pela imprensa de “clone do Snapchat”. É difícil saber se este é o último momento de uma longa disputa. Também não é fácil pensar em um ataque mais ousado por conta do Facebook -- a não ser oferecer bilhões o suficiente para mudar a cabeça dos fundadores do Snapchat.

Fonte: http://exame.abril.com.br/tecnologia/noticias/um-breve-historico-da-briga-entre-facebook-e-snapchat