"O Império da Ficha Suja"

O texto a seguir foi feito por Marcelo Carneiro da Cunha para o site Terra Magazine. O qual você pode conhecer clicando aqui. 
Achei o texto muito interessante e válido para todos os leitores aqui do blog.

O texto diz mais ou menos assim:

"Estimados milhares de leitores, o clima aqui na Mansão Carneiro da Cunha é de azia. Creio que muitos dos meus milhares de leitores compartilham da sensação de que o desempate no STF teve gosto, cheiro, jeito, daquelas derrotas de quatro a zero, goleiro expulso e o time indo pra quinta divisão.

De alguma maneira, é nela que nos sentimos nesse momento, não é? Parece que nós, o povo, jogamos para arquibancadas vazias de espectadores e de sentido. Que a nossa vontade pode ser superada pelo jogo que rola o tempo inteiro no tapetão, e no qual eles, os cartolas do futebol da política são mestres, enquanto nós não queremos, não devemos ser.

O recém-inaugurado Ministro Fux diz que adora a lei da Ficha Limpa, mas que ela fere a Constituição e por isso não pode ser aplicada no ano de 2010 - deixemos para ver como fica em 2012 -, e nesse meio tempo, os ratos sobem de volta para o porão do navio, onde eles sabem muito bem onde encontrar as guloseimas.

O ministro Fux me lembra o personagem de uma anedota, um homem que não empresta a corda de pendurar roupas para o vizinho porque precisa dela para fazer pão. "É possível fazer pão com uma corda de pendurar roupas", pergunta o vizinho? "Sim", diz o homem, "desde que a gente não esteja com vontade de emprestar a corda". Quando não se quer fazer algo, estimados leitores, tudo, mas tudo mesmo, é pretexto. E o ministro, diferente de cinco outros ministros que votaram a favor da Ficha Limpa, não quis.

Pode ser que ele acredite mesmo no que diz, e que constitucionalmente a lei da Ficha Limpa estivesse em algum espaço intermediário entre a legitimidade pura e o que empurramos com a barriga simplesmente porque funciona e faz bem, como a lei estadual anti-fumo de São Paulo. Mas cinco outros ministros, tão juristas como ele, acharam que a lei não feria a Constituição e que, portanto, deveria valer quando valeu, já nos protegendo dos condenados de plantão, em 2010. Seis, nada menos do que seis senadores tinham sido barrados pela Ficha Limpa, caros leitores. O senhor se sente constitucionalmente melhor piorando o Senado, estimado Ministro Fux?

Eu nunca me alinho com o discurso chato de fazer chorar, de esse ser o país da corrupção. Em geral, quem faz esse discurso se considera o único cidadão decente do mundo, e isso o torna um chato, e quase sempre um falso moralista, daqueles que posam de vestais e depois são pegos num motel com alguém que não deveria estar ali. Temos corrupção, como temos virtudes. Temos políticos de péssimo comportamento, como temos homens públicos com um enorme senso de dever e civismo, ou vocês acham que algum país chega onde o Brasil está chegando sendo a mistura de Sodoma com Gomorra na política que esse pessoal descreve?

Quando me falam de corrupção eu digo, sim, ela existe, ela está aí, ela precisa ser combatida, ela deve ser combatida, portanto, não anule o seu voto. Portanto, discuta com o seu vizinho ou com o taxista que vem na sua cara defender o rouba mas faz. Portanto, mergulhe na leitura e na análise, seja cidadão. Não aceita a proposta do sujeito que lhe promete facilidades e um alvará em troca de alguma verba. Não aceite pagar um profissional liberal sem nota fiscal, não compre nada sem comprovação de origem - não seja quem apóia os desmontes. Não compre maconha ou cocaína, ou não as use, porque sim, você estará financiando o tráfico e o crime. Não compre DVD pirata, essa excrescência, e, muito mais importante, não faça xerox dos meus livros.

Se você quer mesmo viver no país da Ficha Limpa, tem que querer. Na moralidade, como em tudo mais, estimados leitores, falar é fácil, e quem fala demais, o faz para se sentir moralmente superior pela sua capacidade de demonstrar indignação. Indignação, estimados leitores, não move uma palha, a não ser que seja colocada a serviço de uma disciplinada busca por melhorias que não estão na sua frente ou na fila do banco enquanto você esbraveja.

Nosso país tem seus acertos importantes. Observem como temos elegido presidentes dignos, no mundo pós-Collor. Somos um país em que, de nenhum lado surgiu um Berlusconi, por exemplo. Isso, estimados leitores, é sim, qualidade institucional, e a temos também. O que precisamos é dificultar e atormentar os que profissionalmente atacam o sistema. E isso se faz com justiça ágil, punições normais, dentro da lei, que são mais do que suficientes para dar conta do recado. Alguém aí se arriscaria como os que hoje se arriscam se tivessem a certeza de que, pegos, iriam penar por cinco anos em alguma cadeia?

Corrupção da feia existe em toda a parte. O que vocês acham de um país cujo presidente mente para conseguir uma guerra, e o país vai para a guerra, e gasta trilhões em contratações bilionárias disfarçadas em gastos militares e tudo bem? Esse é um país impoluto? O nosso é que é inlavável?

Eu sinto muito, muito mesmo, que a ótima lei da Ficha Limpa tenha sido invalidada para 2010. O Ministro Fux ficou devendo. Pensei até em mudar a grafia do nome dele para algo mais próximo do que ele fez com a gente. Mas não vou fazer isso, porque esse é um país que tem que viver de mais decência e respeito, em especial, por parte dos que discordam. Escapou dessa vez, Ministro Fux, Por favor, daqui em diante, cumpra com o seu dever, não apenas pensando no detalhe da interpretação da lei, mas, muito principalmente, sendo um melhor ser humano. O Brasil no atacado, esse colunista no varejo, agradecem."

0 Comentário(s):

Postar um comentário

Gostou da matéria?
Que tal deixar um comentário aqui pra mim?
Você comenta bem rapidinho!